Ginecologia Natural

Uma imersão total e absoluta de 1 dia todo em meio a natureza para potencializar sua energia, aprender a ter mais amor-próprio e evitar o surgimento de novas doenças ginecológicas
Vagas limitadas!

O Evento:

"O que e Ginecologia Natural?"

A Ginecologia Natural é reconectar-se com voce mesmo e com a sabedoria ancestral.
A Ginecologia Natural permite que a mulher retorne seu poder pessoal, seja dona de todas as decisoes sobre o seu corpo e seja especialista de si mesma.
E um trabalho de autopercepcao, de auto entendimento e de muito autoconhecimento. Nosso corpo e nossa maior ferramenta nessa jornada de cura e conscientizacao.
Fortalece a conexao com nos mesmas, com nossos ciclos internos, com nosso sangue e com nossas ancestrais. Nao se trata os sintomas apenas, mas a pessoa como um todo.

O evento será no dia 21 de novembro de 2021 em Mairiporã-SP.

Útero: o centro energético do feminino

O útero não somente é um órgão fantástico com o poder de gerar a vida, de nos fornecer coordenadas sobre nossas emoções e comportamentos através do ciclo menstrual.

O útero é um centro energético onde pulsa o sagrado feminino, nossa intuição e instintos. O que muda na vida de uma mulher quando ela entende isso, desvenda esses mistérios e consegue entrar em conexão com seu centro energético uterino?

Primeiramente, seu amor-próprio desperta e ela cai de amores por si mesma, seu corpo e ciclos. Aceita seu jeito de ser, sua aparência, seu passado e entra em contato com sua autoestima. Afinal, as memórias e traumas que bloqueavam tudo isso, ficam concentradas em nosso campo morfogenético e em sintonia com esse centro de energia. Seus relacionamentos, consequentemente, mudam porque houve mudança de relação consigo mesma. E passa a atrair pessoas que também se amam e se aceitam, e as relações passam a ser verdadeiras e incondicionais. Ela agradece às relações anteriores e as ressignifica por estar em sintonia com a energia amorosa do seu sagrado.

Portanto, sua intuição aflora. Ela confia no que sente e faz o que precisa ser feito. Dá atenção aos seus instintos e sente a influência da lua nas suas emoções, corpo e comportamentos. Ela vira “dona de si” e sua energia sexual volta a fluir de maneira realizadora e criativa no seu dia a dia.

E falando ainda nessa criatividade que pulsa em nossos úteros, seus dons e talentos voltam-se à serviço de si mesma, da sociedade e do universo a partir dessa retomada de consciência. Sua forma de se expressar se desenvolve. Ela sabe seu lugar no mundo!

Isso tudo não é milagre. São resultados gradativos do movimento de uma mulher em direção a si mesma, ao seu autoconhecimento e despertar! Círculos de mulheres, mandalas lunares, dança circular, meditações guiadas para essa conexão, são alguns exemplos de atividades que ajudam a desbloquear as travas do centro energético uterino.

Mas, quando a mulher não possui mais seu útero, o centro energético permanece e o caminho para se conectar com ele é o mesmo. Inclusive mulheres em idade fértil podem aprender a reconhecer as fases da lua em seus corpo e psiquê, pois o órgão retirado não exclui a potência do seu centro de energia.

Salve o útero e seus mistérios! Salve a mulher e suas potencialidades femininas!

Assista nosso último evento do mês de setembro

Para quem é:

De R$ 350,00 - Por Apenas

R$ 100,00

    Consagro com a Lua a cerca de 2 anos. O trabalho dela realmente é diferenciado. A qualidade da medicina é maravilhosa e ela faz todo um acompanhamento que não é feito na maioria dos casos. Fora a força dessa mulher!!! Enfim, sou suspeita para falor... amo demais a Lua e tudo que ela fez e faz por mim até hoje. Sintam-se totalmente amparadas.
    Fabiana
    Super mexeu!!!! Comigo, baixou um espírito de organização e desapego aqui que estou desapegando de tudo! Já diminui acho que metade das minhas coisas desde então Acho que consegui entender o verdadeiro sentido de "os essenciais na vida não são coisas" sabe? Gratidão
    Karin Nakamura
    Gratidão infinita pelo dia de ontem é um processo muito indo e maravilhoso compartilhar e receber com todas vocês.
    Mariana
    Gratidão Luaaa e meninas! Vcs são muito maravilhosas, muito obrigada por essa experiência inesquecível na minha vida.
    Dany
    Gratidão imensa pela troca de hoje, amei cada partilha!
    Samantha

    Lua Ayrée

    Guiança nos trabalhos com a medicina da floresta. Traz de sua linhagem nativa os conhecimentos e sabedoria de seus ancestrais... Erveiras, raizeiras, benzedeiras. Atua como facilitadora nos saberes e na saúde do ser feminino, prestando seus serviços no sagrado feminino. E assim, segue seu caminho como mulher na medicina.

    Dúvidas Frequentes

    Um encontro pra aprendermos juntas sobre o misterioso mundo das mulheres!

    A Ginecologia Natural é para aprender de forma pratica e sensorial como praticar o autocuidado com consciencia em cada fase dos ciclos femininos.

     

     

    Sentiu o chamado de vir nessa jornada?! Venha conhecer e se permitir esse momento! 

    A ginecologia natural é uma proposta alternativa a algumas recomendações ginecológicas tradicionais, como o uso de pílulas anticoncepcionais para evitar uma gravidez indesejada ou o consumo de analgésicos para solucionar as cólicas intensas, por exemplo.

     

    Diferentes práticas são associadas à ginecologia natural, como a vaporização vaginal, o ato de plantar a lua, a mandala lunar e o uso de plantas in natura ou como compostos fitoterápicos para o tratamento contra fungos, bactérias e até mesmo os sintomas da TPM são alguns deles.

     

    Mais do que isso: na amplitude do assunto, a ginecologia natural é uma forma de quebrar algumas das diversas imposições do patriarcado e formar um caminho para o processo de autoconhecimento e emancipação do corpo feminino.

     

    E se engana quem pensa que a ginecologia natural é uma nova alternativa para o autoconhecimento. Pelo contrário, trata-se de um movimento que tem como base técnicas e ensinamentos ancestrais ligados à conexão com o próprio organismo e, também, com a natureza.

     

    O que tem acontecido recentemente é a retomada desses valores, e não somente aqui no Brasil, mas em alguns dos nossos países vizinhos, como Argentina e Peru, por exemplo.

    “É um movimento de retorno às origens, para um tempo em que a medicalização da medicina não era tão presente e valorizada (por médicos e pacientes) e que pode ser visto inclusive em outras especialidades como a pediatria e a obstetrícia” comenta uma ginecologista.

    Dia 21 de novembro de 2021, num sábado das 12hs as 17 horas.

    Bom, agora que você já entendeu, ao menos na teoria, o que é ginecologia natural, vamos a alguns exemplos práticos?

    mandala lunar

    mandala lunar é uma espécie de diário de emoções e reações físicas do corpo para um melhor entendimento dos possíveis padrões de cada semana do ciclo menstrual. Alguns aplicativos para controle do ciclo menstrual também disponibilizam espaços diários para a inclusão dessas observações acerca do corpo e da mente, para que você se conheça melhor e respeite suas fases.

    vaporização vaginal

    Também chamada de vaporização do útero, é um ritual em que se usa plantas específicas em uma bacia com água quente e, em seguida, a mulher se põe de cócoras sobre o recipiente para levar a vaporização e as propriedades das plantas ao órgão.

    plantar a lua

    O ato consiste no despejo do sangue menstrual em um vaso de plantas ou mesmo jardim. O objetivo é devolver os nutrientes à natureza como forma de adubo.

     

    uso de produtos íntimos ecológicos

    Muito ligada ao ecofeminismo, a ginecologia natural também propõe o uso de produtos íntimos eco-friendly, como as calcinhas absorventes, por exemplo, para reduzir os descartes e o impacto negativo no meio ambiente, além de serem mais gentis com nosso corpo, minimizando alergias, odores, irritações ou outras reações adversas.

     

    as consultas médicas continuam sendo imprescindíveis

    Ao chegar aqui, é possível que algumas mulheres pensem em apostar cada vez mais nesse tipo de ginecologia e diminuam a ida ao ginecologista e a realização dos exames preventivos.

    Por isso, é suuuper importante ressaltar que a ginecologia natural não anula a tradicional, combinado? Se você tem interesse em seguir esse tipo de movimento, que tal tentar uni-la com as orientações do seu médico para chegar em um cenário no qual você se sinta bem com o seu corpo sem colocar sua saúde em risco? Afinal a evolução tecnológica na medicina também veio para nos ajudar!

     

    Dessa maneira, procure bater um papo com o seu ginecologista de confiança sobre o assunto na próxima consulta. Apresente seus pontos de vista, suas preferências pessoais, e tente compreender a posição do profissional acerca do tema.

    É importante ter em mente que a ida ao ginecologista vai muito além de expor seus problemas de saúde e sair de lá com um diagnóstico. É claro que isso é fundamental, mas a relação entre você e seu médico precisa ser estabelecida com base na confiança.

    Por isso, é mais que válido expor suas ideias, dúvidas, vontades pessoais e até mesmo meras curiosidades que envolvem a especialidade dele! Por que não?

     

    O autoconhecimento é entre você e o seu corpo, porém, contar com a ajuda de um profissional para trilhar esse caminho é sempre importante. Ah, e claro, continue contando conosco também. A viagem rumo ao autoconhecimento demanda momentos de introspecção, mas, não precisa e nem deve ser sempre solitária. Vamos juntas? <3

    Autoconhecimento é a palavra-chave da ginecologia natural. Mais do que uma prática, trata-se de um movimento, nascido na América Latina, que resgata métodos tradicionais de cuidados da saúde íntima da mulher.

    A história da ginecologia natural remonta à história da humanidade. Até 3.500 a.C., a sociedade tinha como base a agricultura e tudo se relacionava diretamente a ciclos da natureza, como as fases da lua e as estações do ano. Com isso, os povos ancestrais passaram a administrar o cultivo da terra a partir desses fenômenos, a fim de garantir a sobrevivência da espécie. Dessa relação, notaram aproximações e semelhanças entre os elementos naturais e o corpo humano: assim como o solo, quando semeado, germinava e dava origem a uma nova vida, o mesmo acontecia com o corpo da mulher.

     

    Algumas sociedades pré-históricas chegaram a flertar com a ideia de matriarcado, ou tiveram mulheres entre seus líderes, em razão do encantamento causado pelo ciclo menstrual e pela capacidade de engravidar. Mas o endeusamento das mulheres não passou de crença, e se dissipou por completo quando características como força, rapidez e sangue-frio sobrepujaram a intuição e a capacidade de contemplação e observação dos povos agricultores.

     

    Apesar disso, o cuidado com o corpo feminino por meio de infusões, banhos, unguentos e uso de recursos naturais para tratamento de doenças continuou bastante popular até meados do século XVIII. A partir daí, tornou-se “maldito” por conta da perseguição religiosa às mulheres que dominavam a arte da botânica e sua associação direta com a bruxaria, além da resistência a qualquer método de cura que não fosse científico, difundida pelo Iluminismo.

     

    O mistério do sagrado feminino, no entanto, permanece no inconsciente coletivo, e ganhou força e espaço nas questões pautadas por algumas frentes do feminismo contemporâneo. Partindo do pressuposto de que o útero é o ‘coração’ do corpo feminino, responsável por emanar e receber as emoções vivenciadas e suas consequências, a ginecologia natural expressa, em sua nomenclatura, a premissa básica de sua prática: quebrar paradigmas estabelecidos pela medicina moderna sobre o corpo, as doenças e o ciclo menstrual das mulheres a partir da construção, ou melhor, retomada, de um processo de autoconhecimento e cuidado, na contramão de tratamentos caros, procedimentos invasivos e com efeitos colaterais.

    Inicia-se as 12 horas e termina as 17 horas.

    Em uma chácara na cidade de Mairiporã, que fica após Guarulhos. O endereço é Av. Sandra, 250, Jd. Sandra I.

    Sim, ele é o grande receptor daquilo que a mulher sente. É muito importante que tenhamos consciência de que muitos problemas ginecológicos chegam a partir de emoções. É o nosso campo emocional impactando nosso útero, que responde. 

    Nas sociedades antigas as mulheres é que eram as líderes das tribos. E isso porque elas tinham útero. Não porque geravam filhos, mas porque o ciclo menstrual é uma bússola comportamental, que traz muito conhecimento e poder para a mulher quando ela entende como ele funciona. Imagine alguém completamente conectada com a sua natureza cíclica, conhecendo seu corpo, e conectada com a natureza externa. Ela abria a intuição e o conhecimento de uma forma incrível. Então o homem tinha um papel importante nas aldeias e a mulher é quem dava as diretrizes do que a tribo tinha que fazer nos próximos 28 dias.

    Sim! Quando dizem que as mulheres são de lua, elas são mesmo. E isso não é um problema. Se você conhecer a fundo o seu ciclo, você vai saber que há quatro mulheres em você durante o mês, cada uma com suas características.
    Na ancestralidade, a menstruação era chamada de lua, e quando a mulher ganha esse conhecimento, ela percebe as diferenças entre a lua cheia, a lua nova… E assim ela é capaz de organizar a sua semana com programas que favoreçam essa fase. Nos dias da menstruação, nosso corpo pede recolhimento.

    Não precisamos separar as coisas, nem morar numa floresta. É possível chegar a um equilíbrio ao criar um espaço interno. Quando a mulher se conhece, é capaz de encontrar recursos dentro da sua realidade. Nos dias da menstruação, por exemplo, pode tentar dormir mais cedo, ou evitar programas sociais intensos. Pode comer algo de que gosta, se dar carinho. Hoje os trabalhos são mais flexíveis, então ela pode optar por um dia de home office ou, mesmo no escritório, ela se preservar mais – até ficar com o fone de ouvido já ajuda.

    As mulheres quando param com a pílula, mudam completamente. Não há nenhuma que não tenha sentido diferença. É importante saber que todos os sintomas que surgem depois são normais, servem para mostrar o que as bombas hormonais estavam fazendo. Mas, se a mulher bancar esses sintomas, que são temporários, ela verá que vale a pena. Depois, ela percebe o quão desconectada estava do seu feminino. Até a libido muda.

    O ciclo mostra muita coisa. Quando desregula, quando tem mais ou menos sangue. Ele dá sinais de como foi seu ritmo de vida. A menstruação não é só uma limpeza física. Mas emocional, energética e espiritual. Se eu tive um mês em que eu tive muito estresse, trabalhei demais, não me respeitei, não olhei pra mim, meu corpo pode precisar fazer essa faxina antes, por exemplo.

    A TPM não deve ser vista como Tensão Pré-Menstrual, mas Tempo para Meditar. Antes de ter esse conhecimento, normalmente nós pensamos que na minha TPM ficamos irritadas e impacientes. Mas não! A TPM traz uma característica que já é sua apenas de forma mais acentuada para você poder se ver, se olhar. E saber do que precisa cuidar no próximo ciclo. Eu vejo que as mulheres que mais sofrem de cólica, por exemplo, são as que mais odeiam menstruar.

    E a cólica é o útero dizendo que precisa ser olhado. É claro que não é da noite para o dia que você vai amar a sua menstruação. Mas tendo acesso a isso a mulher vê que faz sentido. Quando tenho muita cólica, sei que foi um mês que me exigiu ser mais competitiva, ter mais poder. Então esse período não é de tensão (que até cria o problema!), mas de reflexão e meditação.

    Já é sabido que as emoções têm relação com nossas doenças. O que você pensa você sente. E é dado um comando para as suas células. Dentro da ginecologia emocional não existe uma cartilha dizendo o que cada doença é. Mas um caso muito comum é a síndrome dos ovários policísticos. Vejo relação com mulheres que precisam ter um comportamento muitas vezes mais masculino, que trabalham em grandes corporações, que precisam se impor, por exemplo. Ganhando mais autoconhecimento, podemos avaliar como estamos vivendo.

    Os sintomas são mais ou menos intensos de acordo com a idéia que você tem da menopausa. Se ela é tida como o fim da beleza, da fertilidade, do poder de sedução, o processo é mais difícil. Se olharmos para a história, as mulheres mais respeitadas não eram as jovens, mas as anciãs. A sociedade moderna não respeita isso, mas, se você souber desse conhecimento, pode mudar a sua vida.

    Lua traz de sua linhagem nativa os conhecimentos e sabedoria de seus ancestrais, erveiras, raizeiras e benzedeiras.

    Atua como facilitadora nos saberes da saúde do ser feminino, prestando seus serviços na área também do partejar, na medicina placentária e na ginecologia natural. E assim segue seu caminho como mulher na medicina.

    Lua é terapeuta holística e reikiana.

    Círculo de Mulheres é o espaço para reconhecer a importância de integrar razão e intuição e a influência que a natureza tem sobre nosso corpo e psique, além da própria natureza que somos. É um contínuo aprendizado a honrar-se e valorizar-se como mulher, mãe, esposa, avó, filha, profissional.

    Os Círculos de Mulheres é uma forma comunitária, elevada e mística das mulheres apoiarem umas as outras, para  cada uma se descobrir e se aprimorar.   

    Os benefícios de participar do Círculo das Mulheres são vários, tais como:

    • Não há julgamento e isso promove a confiança entre as participantes.
    • É um espaço de crescimento, partilha e um momento de reflexão sobre as escolhas de vida.
    • Um encontro entre mulheres onde há mais conexão com a expressão da essência de cada envolvida.
    • Dá a oportunidade de cada mulher ouvir e ser ouvida de forma sincera.
    • E o poder de se libertar das máscaras sociais e de fluir com a existência, com mais inspiração e calma.
    • Amplia a visão de mundo com o partilhar de  experiências e visões de outras mulheres, usufruindo dos benefícios de desenvolver equilíbrio emocional.
    • Revitaliza a energia feminina.
    • Fortalece a autoconfiança, a  ter mais autoestima.
    • Ativa a intuição.
    • Diminui a ansiedade.
    • Expande a criatividade.
    • Proporciona a possibilidade de se reconectar com a própria natureza e vivenciar curas sistêmicas ancestrais.

    Através do Círculo Sagrado de Mulheres é possível ter contato com uma irmandade fundamentada na prática da sororidade, da empatia e do amor. 

    Uma terapeuta holística que complementa a ginecologia medica e analisa o todo: elementos fisico, emocional, mental e espiritual, que formam um sistema unico, que afetam desde questões naturais do corpo, ate de disturbios, como o do ovario policístico.

    A Dança Orgânica é uma síntese de saberes

    que envolve poesia, consciência feminina e movimento.

    Ela se orienta pela trama de memórias como fonte de inspiração para o engajamento com o bioritmo pessoal, a partir do tripé: 

    simbolismo-arquétipos, percepção corporal, fluidez de criatividade.